Visitantes da página

quinta-feira

UM IGUAL, DIFERENTE.






É proibido existir...

É proibido igualmente, pensar em desistir!

Máquinas cada vez mais interessantes, pessoas...

Cada vez menos!

Máquinas de centrifugar personalidades já escondidas em seres extraterrenos;

O fluxo passa, o riacho de lástima quer te levar...

Todavia, o fluxo deveria ser passado...

Rio de águas turvas que passou por seu caminho e te impediu de caminhar;

As máquinas são mais importantes, ouvidos "cegos", olhares paradoxo...

Tão próximos e por demais distantes!

Perdeu-se o piloto, perdeu-se a cabeça...

Sem problemas, quando tudo se parece tão igual nada há de fazer falta ou diferença, onde toda forma de vida somente obedeça;

Facilmente se lembra, em um breve instante...de uma longa história que diziam ser eterna, se esqueçam!

Todos atentos à loucura do próximo, todos em busca do assunto que será a novidade...

Lentes e telas que atraem, distraem, distorcem realidades;

Traem, mentes distraídas não se atentam às mudanças das coisas e seus lugares!

Contudo, seja contigo e contido ao limitar-se à caminhadas distantes do limiar;

Lembre-se... é proibido existir se não for assim por aqui, logo se quiseres a paz somente se possa imaginar...

Procure por novos horizontes, onde vida à espera talvez se esconde...

Pois, por aqui também... ultimamente todo "respeito", diz ser proibido sonhar.

terça-feira

MISOGINIA






Lembra-se do corpo, de tudo que se parecia tão pouco, eu te dava...
Em troca, nada pedia... apenas a sutil punhalada pela retaguarda, era o que não esperava ;
Muito mais que a educação, que me fazia tão semelhante ao cervo do cerrado...
Escolha sempre certa se parecia solidão, mas jamais contigo perdendo nosso tempo, ao meu lado!
Muito mais que o dinheiro, muito além da fama ou infâmia...
Tudo o que eu tinha era alguns trocados para saciar teus ocultos pecados...
Fêmea no cio, em poses perfeitas na cama!
Distinta da culta, eloquente dama...
Apenas uma puta, sem um bom programa que de seu nome se lembra quando a vontade chama!
Uma dose a mais era prelúdio do prazer, um passo adiante...
Mal sabia que por vós, restaria de mãos atadas em nós...
Sem voz, porém com um estranho sorriso de satisfação nesta solidão de rapaz pobre e errante;
O endereço... é o mesmo de antes!
Se estou morto em seu caderno de opções, ao menos, restei mais forte e me sinto mais vivo com vocês assim... distantes;
O corpo pode pedir aquilo que uma mente experiente há de refutar...
Não obstante, a obediência aos malditos instintos peça para relutar!
Sem um plano, no improviso...o mesmo cigano quase que sem juízo, por aí à pé a pensar...
Se de meu semblante se recorda, trate de esquecer;
Se deseja meu corpo e aquele prazer alucinante de outrora, peça ao boçal ao seu lado aquilo que somente eu podia lhe oferecer​!
Dos porcos me esqueci, me abstenho deste vício que mais linhas apenas acrescentou em minha cara...
Minha querida, junte-se às suas memórias e esvaneça feito a fumaça;
Apenas saiba, que nada entre nós valeu a pena, que sequer resta ódio ou pena...
Apenas, certifique-se se acaso lembrar de mim, de juntar-se e ocupar-se com tua vara!