Visitantes da página

quarta-feira

Definitiva....mente.





Quem não conhece ferida, talvez não saiba o valor daquilo que se ostenta e seja somente uma cicatriz...
Aquele que sorri somente para satisfação das vaidades, desconhece suas próprias verdades, mentindo para si mesmo sobre ser feliz;
Um céu que não é seu, mas pode ser uma boa idéia imaginada, pintada em tela ou rabiscada no chão...
Aquele que se rende antes que a luta comece, muito sabe sobre desistir, jamais sobre caminhar titubeante até o fim à espera de redenção!
A fé que falha em contradição, alma que caminha está viva....ninguém aprisiona um pensamento, o papel ainda está a serviço das mãos;
Mãos que conduzem um sonho acordadas, mãos que arriscam uma nota desafinada em um violão...
Repousam em noites solitárias somente para ter a certeza de que destinos vêm e vão, alguns em vão, outros...
Eternamente em pretensão de caminhar na contramão, sempre em rota contrária, iminência de colisão;
Coisas que encontramos por aí vestidas de gente e se pareçam com frutos de nossa imaginação, conjuração, maldição...
Pessoas que não se parecem, mas humanas por demais serão em sua sublime condição!
Sorte ou revés, companhia paradoxal de solidão...
Nada, será o suposto tudo em um incerto amanhã, num lance de dados viciados não sela sua sorte o sagaz cidadão...
Que já se levantou, e sabe da dureza de estar face a face com o chão;
Se ainda o faz...talvez seja por desespero, talvez seja por necessidade ou frivolidade, talvez seja por ser forte para edificar um castelo, onde somente vejam destruição!
O pensamento que passou não era meu, mas me escolheu e aqui estou...
Aquela estrela que estava no céu se parecia minha, mas se lhe apraz o brilho desta, por outras sou capaz de esperar e como presente, lhe dou!
A escrita, porquanto a carne resista, enquanto a alma ainda resta e o olhar ainda brilha, em outras mãos segue...
Alguns destinos tentam, outros também deverão tentar...
Todavia, neste estranho jogo onde alguém deve sorrir para outro chorar, muito poucos são aqueles que conseguem!
Conseguir dar provas que ninguém pede, em prosa, em versos...rosas sem espinhos, onde tudo ao redor sem compaixão, somente fere;
Por aí, persiste sobre duas pernas um espetáculo cotidiano que quase ninguém nota, em busca de sua razão definitiva;
Não é mesmo deveras maravilhoso, este espetáculo de renovação para quem não desista, este algo chamado por VIDA?

2 comentários:

  1. Cada qual saberá suas razões, se é que haja necessidade de um motivo, outro além de simplesmente se sentir vivo.
    Cada qual com seu papel, à cada destino que lhe caiba aquilo que satisfaça seu existir com um breve, mas verdadeiro sorriso.
    Plenitude de ser...ainda, que por breves instantes antes do alvorecer.
    Vida como ela é, vida como eu gostaria que ela pudesse se parecer.

    ResponderExcluir
  2. Por aí, persiste sobre duas pernas um espetáculo cotidiano que quase ninguém nota, em busca de sua razão definitiva;
    Não é mesmo deveras maravilhoso, este espetáculo de renovação para quem não desista, este algo chamado por VIDA?


    Sem palavras está perfeito menino...

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.