Visitantes da página

domingo

Regeneração.





Eram pequenas as coisas querendo ser, eram grande os horizontes...que na distância, alheios à tudo podíamos ver...
Era um pouco de paz, após a inesperada fuga...era apenas ilusão, que pena minha amiga, por vezes a culpa está em bocas de senhores de destinos e, de fato, não era minha ou sua;
Feras à espreita, esperando pelo ponto onde tudo se desequilibra, um pouco mais de caos quando se rompe a harmonia...esperando pelo momento perfeito para tornar presente, em nostalgia;
Coisas pequenas, tornando tudo imperfeito no passado...
Orações profanas, de quem tenha capacidades de transpor os muros da loucura, caminham no limiar decidindo e decifrando pensamentos, de quem permanecia calado;
Coisas pequenas que aos poucos se faziam grandes,elos de correntes que se fortaleciam enquanto alguns apenas sorriam...coisas pequenas engrandecidas, egos de gigantes;
Vidas compradas com vil metal, com brilho de coisas falsas que sonham com o valor do diamante...
Aquilo que discordava, agora concorda...erros de concordância distantes, prontos para agir conforme as regras de quem possa impor, faces e máscaras se confundem e mudam num instante;
Eram pequenas as coisas...afinal, diante da magnitude das coisas maiores, que seja o tempo, que seja o sublime sentimento que se sustenta sobre tudo que se movimenta e se chame por amizade...
O que, de fato, haveria de se chamar por grande?
Senão a felicidade, senão a conspiração da falsidade, de tudo aquilo que nos torna subprodutos monstruosos, repetições pontuais daquilo já visto antes;
Instinto primitivos outrora adormecidos, agora aflorados...flores no chão, cacos daquilo que representava humilde construção de carinho, pisoteados...
O riso, o escárnio, pétalas arrancadas...palavras de maledicência que o tempo não apaga, destinos separados;
Um sonho imprevisto, interrompido...de fato, nem eu, nem você sonhávamos talvez com nada disso...
Falta de maturidade talvez, na ausência de minha pessoa, de minha lucidez...falta de "juízo";
Juízes, tropas em prontidão...quem lhe abraçava agora lhe rejeita, quem jurava o bem querer, agora nada além de indiferença oferece em pratos requentados, em teu velho quarto de solidão...
Eu, construí minha história na utopia...esqueci-me sobre os perigos daquilo que se esqueça, no preço a pagar por que não adormeça e agora adoeça...
Com a cabeça nas nuvens, afeito às grades de minha própria prisão;
Há pessoas que pensam, presumem verdades...pessoas vivendo, outras imersas nas próprias vaidades, pessoas pedindo por tuas próprias palavras para lhe dar a sentença, a condenação;
Sugam seiva e tudo o que seja "vital" em seu discurso, seu percurso...para deixar nada além de ruínas em rotas de colisão;
Tudo premeditado, tudo previamente programado...muda o canal, mudam os tempos...
Mudam os ventos, mas é o mesmo programa chato de antes na televisão!
De pessoas com grandes ambições e pensamentos pequenos...pessoas que ocultam por detrás de olhares acima de qualquer suspeita, sua verdadeira intenção;
Pessoas perigosas, afeitas à escuridão que esconde teus atos escusos, o escuro...dos olhos da cegueira de ódio, deveras não há de se esperar algum discernimento...
Daquilo que se possa sentir verdadeiramente, no peito de quem tenha algo para que se chame por coração;
Que saudades da amizade, coisas que nada prometiam, mas eram observadas e utilizadas com precisão!
Por vozes que precisam de vidas, raptores desde o berço...vivendo às sombras, com metades, um quarto, um "terço"...
Se contentam com as sobras daquilo que agora...nada possui, além de sua capacidade natural de regeneração.





6 comentários:

  1. Sim, é possível aquilo que não podem pensar, imaginar ou ver além de vossos olhos de restrição. Troquem as lentes, cerrem os lábios...deixem vida seguir seu percurso, pois não me recordo qual faculdade ou instituição, lhes conferiu a condição de donos de toda a razão.


    Por: Fernando Ordani.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. P.S: tudo decidido, tudo destruído...felizes agora? Graças ao bom Deus, ainda há vida ou sobrevivência, como queiram chamar...mas, não saibam de fato compreender, para quem a queira mundo afora.

      Excluir
    2. Digo um pouco mais...SE, existe o problema de UM estar a iludir-se...o preço a pagar por este problema é apenas de um, jamais deveria ser ASSUNTO POPULAR.

      Excluir
  2. Em uma sociedade onde tudo é visto com "segundas intenções" há uma certa relutância quando se diz respeito à amizade entre homens e mulheres.
    "SEGURANDO O MUNDO DE ALGUÉM"
    arranjar forças para segurar o mundo de alguém quando o seu está no chão, clichê ou não mas é fazer sem esperar nada em troca, o prazer de um sorriso sincero.
    Não se pode ir longe na amizade sem se dispor a perdoar as pequenas falhas do outro... pois se sabe que a cumplicidade e bem maior que falhas., esse tipo de relacionamento existe e faz parte do contexto de vida de poucas pessoas pois pouco sabe o que é amar a vida de um outro alguem....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PERFEITAMENTE dito! Em decorrência de falta de empatia...ou, bom senso que prevalente, mesmo.
      Excelente comentário!!!!

      Excluir
    2. PERFEITAMENTE dito! Em decorrência de falta de empatia...ou, bom senso que prevalente, mesmo.
      Excelente comentário!!!!

      Excluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.