Visitantes da página

sexta-feira

Lembra-se de ontem? (Remember yesterday, my friend?)




Doces transgressores, desafiando o fogo espalhando por aí nada além de flores...
Deixando rastros de nossos passos de perigo ignorado, deixando de lado a ignorância e seus temores, inversos valores;
Versos e pensamentos de uma madrugada, um café a mais, um vintém nos bolsos, uma boa idéia, sublime ou ordinária, que levasse alegria onde alegria fosse necessária;
Dois palhaços por opção, em nossa voz uma música que ninguém ouvia...era sempre tarde demais onde estávamos, o vento somente era platéia fiel e nos aplaudia;
Meninos adultos, pouco preocupados com aquilo que não deveria importar...versos  e palavras precisas, sonhos de mudar um pequeno mundo;
Nossos segredos se completavam, se compreendiam sem palavras em um simples sorriso de enigma, histórias tão nossas que as ruas somente contavam;
Esperanças juvenis...suor, esperando pelo próximo final de semana, sem deixar sequer por um dia de se esquecer sobre ser feliz...
Reticências eram nosso ponto...sem à espera por novidades de quem não era capaz de se encantar com pequenas grandes coisas, paradoxos diante do nariz;
Alheios a tudo, quando o tudo que nos cercava merecia nada...
Além de olhares desatentos, coisas pequenas por demais com pretensão de apagar os sonhos de crianças crescidas que ainda sonhavam;
Se faltasse sol, sabíamos esperar por um novo dia de novidades, sem esquecer dos encantos da lua...
Nosso segredo maior era amizade, coisa que deixa saudade quando de um plano que soa perfeito..na ausência de um, se parece com nada além de algo pela metade;
Sabíamos sobre saber esperar com calma...tempo em nosso favor, os ponteiros paravam por nós, somente para testemunhar eternidades vividas na intensidade de cada segundo, mundo afora...
Sabíamos sobre ter alma, perdidos em meio aos corpos e copos vazios que se confundiam na vontade de algo encontrar, encontrávamos paz, sentados, contando a quem quisesse ouvir ou aos pássaros, nossas histórias;
Nestas voltas e danças de ciranda insanas, perigosas que deixam o irrelevante restar e faz com que aquilo que realmente importa, deixar para o tempo pretérito como nostalgia para recordar...
Faz, com que aquilo que realmente importa  para o tempo pretérito ficar...
Algo que trazia mais sentido aos teus dias,  aquilo que da voz da cigana dissimulada que lia, mas omitia...sobre segredos de separações que causam medo, deixar de contar;
Bom, foi nosso passado...sublime é poder reviver o sentimento, relembras os velhos tempos e poder rir de nossas próprias desventuras agora;
Velhos jamais, apenas linhas a mais em faces que se reconhecem...
Essência que ainda permanece, memórias de coisas tão singelas que trazem sentido às melhores páginas de nosso escrito,  singulares seres errantes...por nossas desventuras, agradece o destino!
Te vejo mais velho, como sempre via desde menino...te vejo e te enxergo, no espelho que reflete coisas anacrônicas, eternidades que se parecem desenho a desdenhar do próprio tempo que insiste em passar...
Sem deixar me esquecer, sobretudo...que entre mortos e feridos, coisas que não se sustentam por aí movidas pela razão do desatino, que indelével permanece tua marca em minha vida;
Deixando a certeza, após cigarros e noites regadas a "rock and roll" e cerveja, de que alguém restou nesta história cheia de surpresas e incertezas...para que um outro alguém, possa chamar por melhor amigo.




7 comentários:

  1. Parece que foi ontem, não? Contudo, que bom dizer...que hoje traz no ar alguma certeza, sobre dias melhores que virão.
    Melhores ou piores, indiferente...o importante é que nós restamos, histórias escrevemos e hoje contamos. O importante, é que dos amigos de verdade, a vida nos ensina das piores maneiras, pelo motiveis fúteis que nos afastamos.
    O que é feito para durar, realmente...não era da boca pra fora naquele dia mundo afora, que falávamos sobre eternidades de coisas sublimes que foram feitas na medida certa, para além dos fatos, além das fotos, resistir...se fortalecer e se renovar.


    Por: Fernando Ordani...para, FÁBIO FRANKLIN SABINO. Meu irmão, meu amigo, meu primo! Valeu, cara!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. cara é muito bom ter vc. de volta a vida real e com tanta lucidez, para escrever com muita emoção, obrigado pela homenagem irmão e parabéns pelo seu talento.

      Excluir
    2. cara é muito bom ter vc. de volta a vida real e com tanta lucidez, para escrever com muita emoção, obrigado pela homenagem irmão e parabéns pelo seu talento.

      Excluir
    3. Caminhando nas nuvens de minha utopia, sem me esquecer da necessidade de encarar a realidade.
      Deveras, meu amigo...nada como, corpo, mente, alma respondendo por você, LIMPOS. Abraço, valeu!!!! ;)

      Excluir
    4. P.S: nenhum escrito desta sorte, é possível sem altas doses de loucura ponderada, comedida...e um pouco de razão, para encaixe das palavras. Rs
      Lucidez sempre tive, pena que poucos notaram...a sociedade prefere rotular e destruir, aquilo que por si somente já o faz. Saca? Mas pedra em cima das páginas arrancas e bola pra frente.

      Excluir
  2. Muito bom menino mais uma vez surpreendendo da maneira que só você sabe fazer... perfeito, sublime forma a história de vocês. Que papai do céu de muitos anos pra viver muito mais ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Viver para para poucos, mas saber aproveitar enquanto viver....se Deus quiser. Obrigado ;)

      Excluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.