Visitantes da página

domingo

É... você podia.



Definitivamente estou emudecido, estarrecido por estar assim mudado...
Flexão é algo mais interessante, quanto mais se flexionam verbos, para sepultar corpos sem um rosto no passado...
Aquilo que queria, que podia já não mais tem poder...aquilo que insinuava em sua graça, já não é mais engraçado;
Faz parte de um recente passado que agora, a consciência então ausente, repudia...
Faz parte do proibido aos olhos, faz parte de coisas libidinosas que se pareciam com provas a serem dadas somente a mim, de que eu existia...
De que um passo adiante, muros e vales adentro, que em nada se diferem, algo de novo descobria...contudo novamente, somente me perdia;
Estranha razão que repudia a lasciva, despudorada senhorita...estranho eu imerso agora em mim,  rejeita reflexo no espelho de expressões de desejo antigas;
Antes, anjos caídos de pecados... faces e corpos indistintos por aí a caminhar com pernas, em caça de aventura ou de alguns trocados...
Hoje, tão somente corpos juvenis perdidos, seres que nada em mim despertam, senão instintos compassivos;
Peça por algo a mais que eu já não possa oferecer, pois da nuvem onde me encontro somente me disponho a descer se for para lhe ofertar um ombro que seja amigo;
Me ofereça os mistérios de tua sedução em teu discreto riso...lhe devolvo sem querer um sorriso...dizendo sem a voz, já não mais me interessar em nada ganhar com perda de algum tempo e suor que resulta disso!
Troquei meus passos, troquei os percalços por algo que parece fazer sentido...
Troquei os sentidos, coisas banais em troca pela satisfação em plenitude dos bons motivos;
Vozes...ecos em minha mente que rejeitam repentinamente delírios outrora picantes, agora atrozes;
O louco agora tem alguma consciência, seu tempo se passou e foi ontem... paciência;
Siga em paz, por caminhos seguros onde esteja certa de que não mais, estarei em teu encalço, logo atrás;
Rumo aos infernos, ao paraíso ...ao cinza do céu de outros invernos, em busca de outros incautos sorrisos...
Se possui algo de novo a me apresentar, se pretende com velhos apelos me encantar...melhor rever tua postura e me fazer exposição de outros sublimes motivos...
Do contrário, aquele abraço... 
Não impeça meus passos de caminhar neste distinto patamar, longe dos perigos de seu abismo...
Tudo já passou e nada deixou, contudo como meu sobrenome ainda é tolerância e paciência...para tua voz de indecência, sou todo orelhas, fingindo ser ouvidos;
Confundiu meu passos...atrasou meu ponteiros, arruinou meu planos quase perfeitos...
Confusão de teus sentidos, olhar fleumático diante de teus intentos, juras de amores ao vento...pois é, minha estimada princesa, creio ter feito perder com algum estranho prazer, seu tempo...
Somente, pelo satisfação de vê-la sofrer, me contradizendo...fazendo aquilo que mais odeio dos demais...
O premeditado plano executado desde o pensamento.




2 comentários:

  1. Se te trazia apenas contas que sequer devia, de fato, a pagar...se nada acrescia, somente subtraia, melhor apagar. Se nada, é o que de fato representou além de breves momentos de êxtase juvenil que te levavam um pouco de vida e lhe devolviam somente ilusão...que para sempre saiam de meu caminho. Seres de saia, coisas indevidas e proibidas com fundamentação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. P.S: Realmente...as coisas mais sublimes, estavam nos pequenos grandes feitos do dia a dia, diante de meu nariz, mas eu não via. Despido dos óculos da cegueira...desapareçam de meu caminho, até nunca mais e um dia.

      Excluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.