Visitantes da página

domingo

Vidas viciadas.

Hoje te quero, amanhã...não me serve...
Escravizo com metal, com papéis que tua vida compra, nós que te prendam e te faça a nós, pertencer...tuas palavras, pondere;
Pode ser que "eu" não goste, pode ser que os fatos que traz...meu ego ferido, minha alma pequena, fere;
A circunstância perfeita, o ensejo, a ocasião...sutil, sorrateiro ladrão que se aproxima com face de anjo decaído, lhe imponha nada além de prisão...
Se for para ser...que algo seja, por alguma boa motivação;
Se for pra ceder, que seja oriundo não do orgulho, mas do coração;
Hoje, pouco mais que da minha essência pérfida, quase que humana lhe entreguei tesouro de pouco valor, perecível, paliativo que lhe serve...
Amanhã, lembre-se de nosso pacto, acordo com o qual não concordou por não saber, sobre este muito mais que me deve...
Minhas palavras têm peso de fumaça, meu caráter é deformado...coisa disforme que se molda em concordância com o oportunismo, que hei de negar em minhas bravatas;
Do português que falo, pouco conheço...tudo presumo, tudo em minha fala sucinta se resume e se encerra com vocábulos, que desconheço;
Pontos...peremptório, intransigente, intransitivo...bom demais para necessitar de complemento, me satisfaço todos nos desencontros com o espelho que rejeito, mas encontro em ti um bom motivo...
Para ser um amigo...um vampiro, um revólver em tua cabeça, faço tua morada agora em "Estocolmo", seja sempre cortês comigo!
Pois, assim sou contigo...desde que permaneça em silêncio, desde que aceite meu açoite, meus gracejos sem graça, minha ladainha que faça sangrar aos ouvidos;
Um mantra para acalmar o inferno que arde em meu âmago, um soco que não se sinta sem contato...sem ar, sem chão, sem nada do tudo de outrora, sutil soco em teu estômago;
Sou vida a preço fixo...venda nos olhos, à venda...sou astúcia e cultura também, pois das minhas estantes de angústias e frustrações, as traças devoram livros..
Que não me livram da condição de crápula, que não libertam...pois, vendida há tempos também, está minha própria alma...
Minha fala te acalma...a adaga da figura lhe fere...
Meu jeito dócil de ser assim infeliz e disseminar infelicidade para além dos muros de submundos pelos quais caminho, te enlouquecem;
Faça o que eu digo, não julgue meus atos...simplesmente, por ser incapaz de limpar com maestria este escarro, velada forma de escárnio...sujeira de teus pratos;
Minha vida não faz sentido, que a sua também não faça...se algo der errado em "nosso" plano perfeito que tracei com esmero por nós, lembra-te que responsabilidade é toda tua por nossa desgraça.






2 comentários:

  1. Todos terão suas virtudes, todos serão humanos o suficiente para ter seus vícios...contudo, há vidas perfeitas por demais por aí, para que se possa afirmar sem hesitar...que o caminhar destas sobre a própria Terra, seja um desperdício!
    *Se alguma distância nos separa, não fui eu a vida diferente...responsável por este ódio que abre vales e nos exponha aos perigos da indiferença e do abismo.

    Por: Fernando Ordani.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. P.S: pelo suposto vício que me "satisfaz", posso pagar...me pergunto, se pelo teu vício de ser mau caráter, há algum meio de se retratar.

      Excluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.