Visitantes da página

terça-feira

Um destino, sobre rodas.

Um dia, o destino ingrato que me levou as "rodas" há de devolvê-las...mas, que não seja em uma "cadeira";
Um dia, quando for chegada minha hora que não seja a derradeira, estarei por aí novamente, sem destino certo...pois, das calçadas já me cansei de observar realidades que inspiram as letras;
Um dia...o sol que me queima, o calor que me aquece causticante como há de ser uma caldeira...
Há de ter compaixão por quem erra, porém seu erro repara e reconhece sua face numa poça d'água...reflexo de minha essência verdadeira;
Num dia desses, ainda que sejam necessárias noites inteiras de luzes acesas...
Hei de ver novamente, viver um pouco mais plenamente, sem deixar de agradecer pelo pedaço de pão me alimenta e não me falta em uma mesa de pobreza... 
Sem asas, em minha nave particular...um dia desses, desatino que me levou aos limites, freios que me fizeram parar, pensar...
Farão justiça àquele que nenhum prejuízo que não fosse a si mesmo causou, devolvendo as chaves para uma liberdade de fato, verdadeira;
Não hei de me lamentar em versos pelo que não tenho, todavia me sentir um pouco mais livre do veneno que impôs em meus caminhos, algumas barreiras...
Hei de me libertar das paredes que me prendem, contudo sentirei saudades de testemunhas de concreto tão companheiras...
Um dia novamente nos vemos por aí, com uma face marcada pelo tempo que passa...marcada pela maldição de outrora que espreitava sorrateira;
Liberto de meu cativeiro, rosas hei de recolher em distâncias que não mais alcanço...em outros cantos, ou canteiros;
Um dia, rodas novamente para não ter de parar pra pensar...seguir viagem sem olhar pra trás, por trás de um volante que não desapareça no abrir de olhos, despertar travesseiro; 
Fui travesso, reconheço...fui além, através, fui metade, tudo em doses necessárias quase fatais, para que pudesse novamente enxergar e por aí poder voltar a rodar, como alguém que restou quase inteiro...
Não se saberá sobre a próxima parada, paradeiro...deixarei de ser pretenso para ser poeta deveras...
Mãos calejadas, cansadas...sábias, para vencer as feras, retomar as rédeas de meu cavalo de aço, pois até mesmo o palhaço se cansa de ser alvo de troça eterna sem sucesso em um picadeiro.

' P.S: Coisas tão pequenas que fazem toda a diferença, afinal será sempre destas que sentiremos as maiores saudades...ah, deixa pra lá. hehe...

9 comentários:

  1. Fiz tudo isso, ou nada disso a pé!
    Impressionante, não é mesmo...gente "maravilhosa"? rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para algumas coisas, serão necessárias somente tuas próprias pernas, TUAS PRÓPRIAS idéias...não custa caro ser original e nada mais.

      Excluir
  2. Amo poder ler algo que me trás tamanha emoção.... você terá de volta aquilo que é seu por direito. Não tem muito oque dizer além de maravilhoso menino :')

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "nem luxo, nem lixo". Sabe, sei lá se terei algo além do que mereço.
      Aprendi a ter culpa também, pois com as pessoas...aprendi a duvidar da vida, mas jamais "evitar a dúvida".

      Excluir
    2. P.S: ah...mas, não duvido da DÍVIDA. Pois, esta, se parece eterna com coisas vivas, coisas que roubam vida, coisas do além que detestam aquilo que vive.

      Excluir
  3. Não encerre, somente está começando Fernando, não mostre que está desistindo, uma opinião ou conselho bem pessoal que não soube dar a mim mesma, eu sei exatamente oque está passando, rabisco há cerca de 13 anos, perdi tudo que tinha; vendo o mesmo me manisfesto com uma única intensão, de oferecer as mãos a uma pessoa que não conheço mas que faz parte da história, eu reforço meus pedidos, porque era tudo que eu precisava, não desista de algo que seja seu, os demais? Eles todos são nulos, não desista de escrever, encantar deixe suas ideias serem expostas para o principal público o FERNANDO ORDANI, se este aprovar o restante pouco então, não terá problemas, quanto muito escrevia à eles esquecia de agradar a principal, eu mesma. Insista em sua carreira, nós precisamos de pessoas como você, olha quanta evolução teve neste tempo, analizando tudo, você somente agregou neste espaço reencontrei vida. Por tanto poeta não desista, resista se possível torço por sua carreira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O "hobby" de outrora, sem querer se convertendo em uma "carreira"...a vida é engraçada sabe, especialmente quando as melhores e maiores coisas que nos aguardam, serão fruto das pequenas...que não costumamos atribuir muita relevância.
      Mais uma vez, muito obrigado.

      Excluir
  4. "Há coisas que estão distantes, muito longe de um sonho, vistas desta triste realidade que não sonhei pra mim.
    Há coisas que poderiam ser mudadas num estalar de dedos, mas resignado que sou, tenho medo...prefiro o inferno, imposto pela permissividade de outrora...coisas que escolheram e deixei que escolhessem por mim.
    Prefiro que tudo isso seja breve, sem a hesitação típica de um reticente...espero pelo ponto final imposto pela vida, que encerre todo projeto arruinado, pois já fora decretado há tempos meu próprio fim."

    Por: Fernando Ordani...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. P.S: Desde "fica lavrado o assento"...fica algo que falta, fica o vazio, fica uma palavra sem sentido, sem um acento. Fica do destino, um lamento...fica espaço para um outro alguém, pois do meu abro mão, para sobreviver distante deste tormento.


      Por: Fernando Ordani.

      Excluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.