Visitantes da página

terça-feira

Saudades de nós.

Te vi um dia...se em ti não havia cor, de minha cor preferida coloria;
Sorria, sem saber que estava ao meu lado, sem saber sobre nosso caso...
No caos...era companhia que secava minha lágrima de dor, quando um mundo que pede por compreensão...sem nenhum senso de compaixão me repreendia;
Era calma no coração, era doce amargo da língua...era sabor distinto que remetia ao fino vinho tinto, era resposta dos céus às súplicas caladas por redenção...
Minha doce companheira, sorriso estampado no rosto...quando o mundo me dava as costas, às minhas titubeantes sobre seguir, trazia certeza;
Te vi um dia, no espelho...no azul do céu, no crepúsculo de melancolia, imperava ainda alegria...
Tristeza não entendia, em meus jovens dias era motivo suficiente, era abstrato abraço presente...a primeira a me desejar um bom dia;
Não me importava se deveras haveria de ser como sonhado, não importava se todo o certo subitamente se parecesse com algo fora de esquadro, vazio e errado;
Desde que estivesse ao meu lado...prelúdio para superação se parecia com algo imediato, esquecimento e seguir em frente, esperança esperava adiante após o primeiro passo dado;
Te vi um dia...quando para o céu ainda olhava, quando um arco-íris me encantava, quando donzelas eram princesas em devaneios...
Te vi um dia, quando cores para colorir ainda eu tinha, quando lentes renovadas para mudar minha ótica ainda havia;
Quando contrariando meus anseios, donzelas se revelavam aos poucos pérfidas e vaidosas vadias...
Saudades de ti, quando te conheci ainda menino sem que ninguém nos apresentasse, quando o destino que triste testemunhou nossa despedida...
Histórias sobre nós, sem voz....deixou escrita em linhas de expressão, agora inexpressivas desta face, em linhas da minha vida.
Saudades eternas daquilo que se parecia para sempre, mas se perdeu por aí na poeira do tempo em agonia...saudades de ti, saudades de nós, alegria.



2 comentários:

  1. "Vou chorar sem medo...vou lembrar do tempo, de onde eu via o mundo azul..." - Nenhum de Nós - O astronauta de mármore (Starman).

    Chorar sem lágrimas, lembrar no esquecimento...quem sabe um dia desses conte alguma história sobre nós este velho chão pisado outrora, alegria compartilhada sobre este mesmo pedaço de agora um pouco mais frio...cimento!

    Por: Fernando Ordani.

    ResponderExcluir
  2. perfeitoooooooooooooo demais menino sem mais a acrescentar :`)

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.