Visitantes da página

terça-feira

Frenesi.

Aranha voraz tecendo teias, emaranhado de amor para prender, sufocar...
Arames que cercam, farpas afiadas, com ou sem palavras para machucar...leva um pouco de meu ar, encontre em mim presa dócil para se saciar, me consome...
Me ame, mas devolva-me por favor, ao menos um pouco do meu respirar!
Amor suave, doce utopia sem ter de inventar...amor sonho, vivido em intensidade,  realidade sem necessidade prévia de os olhos ter de fechar;
Toque cálido de lábios que devolva vida...toque de mãos,  entrelaça dedos acendendo involuntária lascívia;
Coisa sublime sem ter de sentar-se nas nuvens ou transpor limites do céu, há chão suficiente para fazer válida toda jornada...
Sonhar com estrelas sem poder por um dia sequer tocá-las,  será sonho embedido, sufocado por mares de lamurias e lágrimas;
Aranha voraz, arma...ama, ou deixa-me em paz;
Amores estão por aí,  vida é episódio que não se repete,  coisa passageira,  tão fugaz...
Se há de valer a pena, vivos estamos para descobrir, vivos estamos para permear limites da boa loucura e por isso...com a própria vida, preço pelo pecado tão aprazível, quase pagar...
Se há de durar por um dia ou algum tempo a mais, tanto faz...me consome, mas não some...
Em tua teia quero me prender, em teus desejos proibidos a direção contigo perder, para nunca mais me encontrar;
Prenda então, por tempo limitado a respiração...seja o inteiro que completa minha metade;
Sem limites para nossa transgressão em liberdade, sentir nas veias correr o fluido que nos faça humanos e animais em verdade,  somente para saber sobre extasiar em emoção...amar, sem piedade!
Porquanto perdura uma vida...que não seja temor, mas teus mistérios, teu frenesi de amor que cega minha razão...
Aquilo que norteia, anima e faz pulsar no peito aquilo que nos conceda certeza que vivemos de sonhos...somente, para acordar frustrados na ilusão!




Um comentário:

  1. Perversão? Digo que não...quem molda as lentes, que lhle faça viver sonhando com o proibido, amargando em realidade o dissabor de jamais saber o que seja um tórrido amor...viver sonhando e condenando aquilo que ama em segredo, somente para se parecer um pouco mais normal e ser aceito por um "bom comportamento padrão".
    Boa sorte, vou viver teu sonho...enquanto você, se perde em ilusão.

    Por: Fernando Ordani.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.