Visitantes da página

segunda-feira

Figuras, que não se repetem.






Bom é ser figura, figura de imagem ou figura de linguagem que pouco se disponha a se repetir;

Se em linhas deve fazer algum sentido o que chamo por vida, hei de querer algo além de mero subsistir;

Contras as marés nadar...com perigos conhecidos e desconhecidos seguir e, com ousadia típica dos loucos, sem prévio refletir ou ponderar, se dispor a flertar;

Contradição, morrer diariamente com moléculas, renascer com esperança do cinza do céu ou azul que traga o sol...renovação;

Bom é ser figura, mas se possível...figura ímpar, a qual valha mais que um vil vintém, tenha valor inestimável para ser digno de em teu álbum amarelado de memórias raras, figurar;

Bom é ser, se não for...bom será persistir, perdurar até o derradeiro segundo para tentar;

Se horizonte é além dos olhos, pernas ou asas que não sejam de cera...façam-me adiante caminhar ou levitar;

Leve, leveza...figura singular em um ar tão pesado de pesares, a pairar;

Figura de coisas do submundo em cartas de cartomantes que pressuponham boa sorte...figura, de um anjo imaculado...perigo!

Aviso de quase iminente infortúnio, com riscos de sobreviver...algo a se temer mais que a própria morte;

Leve como o papel, de papel quiçá constituída...figura de carne, no papel registrando seus lampejos de poeta, fixando palavras como pérolas oriundas de abertas feridas;

Lágrimas são transparentes, apesar de quase sempre pouco notadas ou esquecidas...contudo, lágrimas são produtivas...

Será expressão maior sobre ser humano sobre chão de concreto alheio a tudo que seja sonho, lágrimas precursoras para inspiração que se pinte da utopia em telas coloridas;

Sou figura, quase que inanimada...em meu semblante soturno ou impassível, pouco se nota sobre vívida forma ambulante, em meu circo de horrores itinerante, aura que se diga iluminada;

Do presente, nada sei...o passado era imperfeito e sujeito à poeira do tempo deixei;

Do presente me faço o necessário somente quando necessário for...quase que sem transpor o muro do que seja meramente ordinário;

Sobre um futuro, faço fagulha de esperança em intenso trabalho...para que então, esteja em meu devido lugar guardado...

Sob sua cama, em seu baú de preciosidades...ou, quiçá, em uma prateleira quase esquecida em um armário.






2 comentários:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.