Visitantes da página

quarta-feira

Realizações póstumas.



Aquilo que já se foi, aquilo que já não mais é...
Aquilo que renunciou a todo ser do verbo, etérea forma que ainda viva...para quem tenha fé;
Se hoje vive e não lhe atribuem relevância, não se importe...afinal, nada neste antro de insanidades tão fugaz deverá ter relevância;
Não será importante vida que seja expressão de coisa puramente humana, será interessante o soar da  sirene...será interessante, a tragédia da semana;
Em vida...boçal, morto...agora digno de honrarias, genial!
Poesia de poeta vivo...que pena, ainda vive, mas se for escrita de ilustre poeta morto, é comoção nacional!
Som da hipocrisia, verdades incômodas que não se noticiam, não se notam...sequer se faz menção em curta nota de vagabundo jornal;
Pobre vagabundo, escritor perdido...solitário ser companheiro de letras e cigarros tão vésperas de escarros...pobre ser sem carisma, moribundo;
Respirando ar infecto, plantando suas sementes e colhendo indiferença...
Ninguém nota de teu instrumento, aquela genial nota...ninguém repara em tua distinta composição....
Pois, ainda és vivo...o que vive  distinta forma de viver, carrega do berço inata maldição;
Porquanto viver será propositalmente ignorado, contudo quando morrer...será celebrado, meu estimado!
Saudoso...poxa, agora se foi, como era bom quando ainda vivia e compunha, cantava...escrevia para a gente fingir não ver;
Saudades, outro palhaço que ouse ser original há de existir, afinal sempre alguém disposto a ser vidraça em uma multidão de cretinos sádicos e alienados, há de surgir, há de ter;
Deveras, a velha celebração com requintes de caixão e vela...será a maior expressão de gratidão, a mais esperada, ainda que não confessa forma de dar parabéns...a você!
Legal, você morreu...tua história agora tem alguma relevância, quem sabe não transponha limites do obituário e não haja um livro seu?
Que pena, agora não vive...póstuma, fica para a posteridade toda a memória e respeito...toda a dignidade e importância  que ninguém lhe atribuiu, coisas que em vida, jamais ninguém mereceu. 


EU SEI, ODEIAM A "PESSOA"....RESPEITEM AO MENOS, O NOME!

3 comentários:

  1. ELE JÁ SE FOI HÁ MUITO TEMPO, MAS SINTO QUE QUEM MORREU FUI EU...EM VIDA, MORTO. VIVER...PARA MORRER, MORRER PARA FINALMENTE, VIVER?
    CONTRADITÓRIO, ANTÍTESE INCÔMODA...NÃO ME INTERESSA, OBRIGADO, NADA MAIS A DIZER.

    ResponderExcluir
  2. Sabe se que és real quando se vai. Será lembrado claro que será, pessoas são tão mesquinha que só enxerga um palmo de si mesmo, quando se ve que a pessoa não está mais, ve uma possibilidade de faturar em sua ausência...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sorria!!! Que pena, não pode mais sorrir...poxa vida, mas hoje...finalmente, é o que todos esperavam!
      CHEGOU TEU GRANDE DIA! ha ha ha.....

      Excluir