Visitantes da página

quinta-feira

Os riscos de nossa Highway.








Seu nome não era Clara,  alva era tua pele...tal qual àquela "parabólica" que ouvia em um rádio, atenção em mim veio a despertar;
Dispersa, alheia...rosto de incógnita, jeito singular de personificado "tchau radar" a me cativar;
Centro das atenções, em nossa "highway", aventuras e desventuras que para sempre,  quando tevês estiverem sintonizadas ou foras do ar...com olhos de um verde cinzento, teus movimentos a captar...
Capturar... 3x4, talvez não sejamos deveras o melhor, mas nos contentamos com o que "dá pra fazer"...
Companheiros de crimes inocentes e jamais perfeitos, caso sério que por mais que a gente cresça, não se pode entender...
Sabíamos sobre céus e que estes não passavam de promessas, porém pressa nos fez por diversas vezes errar a direção...
Errar a direção, com a certeza de lágrimas em reencontros previstos...dor ou felicidade se traduzindo em exacerbação de emoção, certeza de que por vezes...
Paralelas distintas e distantes, contrariando ciências se cruzando sem distâncias que não fossem aquelas que determinam estes números, mas prevalece aquilo que urge no coração;
Entre idas e vindas, te vejo como se ainda estivesse ali parada, olhando-se para nada... jeito impassível de leal companhia tão certa, quanto certeza de que ventos às vezes erram a direção!

Por vezes era fim de noite, noite fria e lá estava a guria...embora fosse aconchegante o calor, embora...tudo queimasse, quando nada aquecia!
Vinhos e venenos baratos, cigarros no cinzeiro...cara sóbria ou embriagada, sem se importar com a condição, lá estava aquela guria...
Olhos cor do céu, cabelos dourados de sol que fizessem remeter à doçura de seu ser...jeito e cabelos cor de mel;
Superando superfícies, céu de brigadeiro ou tempestuoso sobre nós...à perigo, testamos a mais de cento e sessenta nesta singular highway que mais de mil destinos, destinaram para nós...
Restamos mais fortes, desatamos os nós...restamos para ser, um e outro escrevendo em linhas inconstantes, a curiosa história de nós!
Por você valeu a pena...ainda que na boca em um longínquo futuro, para mim nada reste além de ti nas melhores partes de minha memória, e um sorriso tímido entre lágrimas...um chiclé, de menta....




4 comentários:

  1. valeu e sempre vale a pena correr todos os riscos de nossa tão particular highway.
    Entre mortos e feridos, gritos e gemidos...restamos vivos. Após toda forma de conduta que culminou com lutas armadas, restamos e resistimos, para rir de tudo e brincar com palavras, hoje sorrimos!

    OBRIGADO ENGENHEIROS DO HAWAII E SENHOR HUMBERTO GESSINGER!
    Gratidão eterna por tudo, estimada Joice Martins! A "menina da canção".

    ResponderExcluir
  2. A nossa linda highway, tempos passam e com um piscar dos olhos, e me pego ali parada na varanda torcendo para que puderá então aparecer..... Se você não existisse iria arrumar um jeito de lhe roubar, depois que desse tudo certo ia te chamar para passear depois do tiroteio, dançar num cemitério de automóveis, colher as flores que nascerem no asfalto, desejando que o mundo todo possa ver o quanto eu sou doidinha por ti.... ao seu encontro sempre eu vou estar, e quando olhar para trás vai ver um sorrio com um olhar dizendo eiii, não me esqueça eu irei contigo....
    PS: EU O AMO PARA SEMPRE A SUA EXISTÊNCIA SERÁ SEMPRE GRATA......

    ResponderExcluir
  3. Se houver cumplicidade nessa jornada da infinita highway, vamos saber como caminhar. Fernando como é bom poder ter alguém na caminhada não é mesmo?


    Mas não precisamos saber pra onde vamos, nós só precisamos ir.
    Não queremos ter o que não temos, nós só queremos viver.
    Sem motivos nem objetivos nós estamos vivos e é tudo.
    É, sobretudo, a lei dessa infinita highway.
    Infinita highway. Não tenho palavras para dizer o quanto esse texto em poesia, ficou extraordinário, parabéns meu amigo o
    Humberto Gessinger agradece por ter descritores desse nivel. Abraços Valdemir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe, essa música me leva, me conduz a lugares inimagináveis. Chamo por mágica.
      Obrigado pelo comentário, Valdemir!
      Abraço.

      Excluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.