Visitantes da página

domingo

Escreve aí...? Pois bem, está escrito.




POIS BEM, LUAN...ESCREVI.




Faces que mudam com o tempo, mãos que te elevaram...hoje por ti, contentam-se em rezar;
Mãos que as tuas apertaram, hoje...contentam-se em um distante lugar na multidão, com um pingo de ressentimento, ignoradas acenar;
Não sou ninguém, sou apenas um vil "escriba" da vida, pretenso escritor ou poeta no intento inútil de fatos assim, relatar;
Faces...faceiras para um degrau, ou ao inimaginável patamar ascender, faces que com o tempo, a mão outrora amiga, hão de esquecer;
Hoje és a voz do momento, voz escolhida a ecoar para onde soprem os ventos...sucesso e saúde, mãos que por tua fama trabalharam, hoje contentam-se em se resignar;
Singular para ser distinto, plural demais agora...para lembrar sobre valores de amizades, ou sobre o que seja diferente forma não programável, de ser humano;
Outrora amável, hoje...encobrindo rosto triste ou feliz por trás de máscaras, quiçá necessárias...contudo, amor verdadeiro assim, jamais há de lembrar-te como ledo engano;
Sou também como fostes, um mero ser andante que cruzou o caminho dela em um infeliz instante...
Sou, a voz que agora por ela fala, sou  o mal necessário que lhe faça remeter ao passado que parece não recordar, porquanto a voz ressentida se cala;
Encontrei esta ímpar e distinta forma de ser humano, talvez por acerto infeliz para ela, do destino...
Com certeza, para mim, por um feliz engano;
Apareci naquele portão, olhos que não mais recordas...apareci tímido, com pouco talento que não seja escrever, com muita aptidão em fazer sofrer...
Apareci como fruto de um tiro certo do acaso, que naquela casa de varanda, me fizesse com aquele carro velho, um dia bater;
Não sei tocar violão...sobre ti, histórias carregadas de emoção em um coração que do teu lembra, ainda como Rafael, ouvi com curiosa e cuidadosa atenção...despretensiosamente, tal qual a fera à espreita pareça nada querer;
Sem querer, fui um tal Fernando...sem querer, me vi às voltas com esta história, com este coração que ainda pulsa, sem sentir pelo presente repulsa...pulsa mais forte por você;
Não sei tocar violão, jamais soube sobre algo...sobretudo versos, que fossem dignos de canção;
Tive relativa fama...pois, este mesmo alguém, acreditou em mim quando pedaços de meu ser e de meu próprio orgulho, estava em frangalhos, cheio de autopiedade a recolher pelo chão;
Luan...outrora Rafael, hoje, conhecido pelo sobrenome de Santana;
Não é por mim que escrevo, é por esta guria de olhos claros que jamais esquecera de teus primeiros passos, de quando buscava em um exíguo espaço um sonho, que hoje se concretiza em realidade e fama;
Escreve aí...pois bem, está escrito!
Creio eu que não seja a coisa mais bela que já tenha lido, creio eu que não seja prosopopeia de agrados...sequer de longe algo engraçado ou com intento de soar bonito;
A realidade do sonho vivido é linda, a realidade de um sonho sonhado somente, meu caro...é triste;
Se lembras desta pessoa, jamais saberei...no entanto, lhe afirmo que ela ainda cumpre sua missão de acreditar no desacreditado, contra tudo ou em favor do desfavorecido, persiste e resiste;
Ontem, "Luanete"...mas, creio que este termo soe por demais infantil, porém algo de pueril no âmago deste ser do qual vos falo, jamais deixou de existir, parece ser perene e ao dissabor do concreto e frieza mundana, subsiste;
Prazer Luan, sou o Fernando, um cara que escreve sobre coisas à magnitude de vossa sombra, coisas que talvez jamais tenha notícia, tenha se interessado...coisas que jamais verá, coisas que não viu;
Fiz tal qual pedistes, escrevi algo inesperado...minha arte, é surpreender, ser a voz ou a escrita indevida, talvez no lugar errado;
Fiz...por alguém que de ti se lembra, de mim jamais se esqueceu e ao meu lado permanece, fiz por aquela que alimenta sonhos, quando sobre sonhos a sociedade desdenha ou simplesmente, frustra até o momento que um sonhador, cansado...do sonho se esquece;
Joice Martins, é o nome desta guria, que como Luan Rafael te conhecera um dia...
Prazer, uma vez mais, sou o Fernando...alguém desacreditado, que abandonou seus sonhos por acreditar que para sonhar, deveria ter mais talento...ou, por não suportar o preço por se sonhar, deveras alto demais;
Prazer, Luan..."escreve aí", como é do alto deste palco, se lembrar do pretérito e se esquecer daqueles que sonharam tal qual a ti, todavia foram preteridos e hoje residem no limbo do jamais;
Última "carta" que a vós remeto, último suspiro daquele que acreditou ser alguém, para não ser somente mais um dentre a mediocridade...alguém que sonhava em ser heterogêneo o bastante, para das massas, ser uma escrita que fosse relevante  a se destacar...e não sucumbir neste meio; 
Fernando do portão, aquele sem versos com excelentes rimas, sem um instrumento para fazer algo se converter em canção;
Esqueça-se de mim, lembra-te de teu passado e de quem esteve ao teu lado...meu desconhecido irmão;
Que a fama atual, não tenha mudado por definitivo, teu coração.

Ass: Um tal de "Fernando" Ordani.

P.S: Ela também acreditou em mim, pena que fracassei...mas, a vida segue para ser vivida. 
Grato por vossa atenção! (ou, não).


 
VELHOS TEMPOS, MÃOS QUE SE ESTENDIAM...TESTEMUNHAS QUE LHE VIRAM CRESCER.


TEMPOS DE GlÓRIA...SUFICIENTES, PARA VOCÊ ESQUECER?








OI LUAN, LEMBRA DE MIM? COSTUMAVA SER A PRIMEIRA DA FILA, ESPALHAVA SEU NOME QUE HOJE, POR SI SOMENTE NO VENTO SE PROPAGA...PRAZER, JOICE MARTINS!



5 comentários:

  1. Feito. A voz muda que escreve, fala por você...Joice Martins...
    A voz muda, que não se esquece.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tocá-lo e estar perto sempre foi o meu maior desafio, e maior desejo. Além das dificuldades de estar próxima, pegávamos estradas, muitas estradas e às vezes, não chegava até você. Porém, só de estar próxima de ti, estava bom.
      Milhares de fãs estavam e eu também queria estar perto. Eu ainda tinha que enfrentar a incerteza de não saber se iria conseguir um abraço ou não, e, se sim, por quanto tempo não esperava? Contava os dias, não que eu não me importasse, ainda que fossem meses, afinal, qualquer segundo ao lado dele valeria apena, seria merecido pois eu esperava tanto... Mas tudo tinha um preço cada vez mais cruel e injusto, caramba eu só queria seu abraço, o desespero delas também era o meu para somente contigo estar, mesmo que fosse segundos iria eternizar, mesmo que não significasse para ninguém, para mim tinha enorme significado, no futuro eu ia falar de você para minha família... mais esse abraço era apenas um sonho de muitas adolescentes, a realidade é que vivíamos sempre longe de alcançar, e quando nos encontrávamos nem para um abraço você tinha mais tempo, o tempo era curto e rápido até demais para descontar os meses em que não nos víamos, você não tinha mais tempo, não sei se lembra mais de mim. Meu desejo e o mesmo, que seja feliz e mesmo que não esteja mais aos meus olhos como sempre te desejo o melhor de uma fã a um ídolo. Vou estar te esperando? Hum será...?
      Não foi na fila de um banco, mas ele se chama Fernando. Não foi dia 03 de maio, mas sim 18 se lembra? Eu não vou te esquece #EscreveAi....

      Excluir
    2. Fiz por você, menina...que também um dia acreditou em mim, assim como acreditou nele.
      Para mim, faltou talento talvez, e um violão...rsrssrs.
      Mas, tudo bem. Tudo isso me fez remeter à minha juventude e àquela vontade de estar próximo de meus ídolos da época!

      Excluir
  2. :') a você meu menino Fernando eu desejo o melhor, o melhor que podia também desejar a ele hoje não faz mais sentido se é que um dia valeu, mais não me importo pois a realidade e meu presente é Fernando Ordani.... é você que eu vou estar esperando, te amo menino obrigado por sua existência #AmoODiaQueTeConheci

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, mas eu mesmo cavei minha própria sepultura.
      O mundo é perfeito, eu...estou errado.
      Obrigado por tentar.

      Excluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.