Visitantes da página

segunda-feira

Dívidas.



Altas quantias, débitos que lhe atribuam à revelia;
Sim senhores, donos da razão terão sempre razão...
Dívidas junto a vós estou a pagar...embora, não me lembre de terem me emprestado algo, que não fosse aquilo que toda forma de paciência e empatia, desafia;
Empréstimos para pagar, supostas dívidas honrar...
Afinal, pobres sempre deverão pagar, ainda que seja pelo preço de ousar diferente ser...com a originalidade, em laços que se atam espontâneos, em forma de compromisso, me agrada "amarrado" assim estar;
Altas quantias, devidamente pagas...dívidas, até o momento sanadas;
Compromete-se aquilo que não devia, rouba-se sem piedade até mesmo o fruto de teu suor...pouca quantidade que há para se contar;
Interação, interesse, tudo parece premeditada forma de conflito, tudo se parece com loucura ou insana realidade contra ti, a conspirar;
Fazer altos empréstimos...porém, dívida não havia;
Honrar a desonra alheia, curar a ferida do egoísta ao despojar-se até mesmo daquilo que não podia;
Pedir perdão, quando não deveria...
De joelhos ou em pé, persisto...perdão somente ao divino por proferir a palavra que profana ou engana, se resta a pedir, eu não negaria;
Hesitação...supostos amigos, toda forma de humana suposição convicta de merecer braços e abraços, após oferecer gentilmente sua mão;
Traição, não hei de me importar, sigo sem anistia quando desta não necessito...em prosa, verso, ou em devaneios agora, a tergiversar;
Sombra há de ser melhor companhia, sob a sombra sombria de braços de perfídia humanos, já fiz meu lar;
Sombra há de ser melhor...pessoas querem aquilo que lhes convenha, porém  pessoas tal qual a mim, hão de passar;
Sequer sei a razão de justificativas ou semelhantes lamúrias, como se pranto de rancor em palavras, estivesse diante de chacais a derramar;
Sequer sei aquilo que em verdade quero...somente sei, que vivo permaneço e, se assim estou...farei por minha própria satisfação aquilo que jamais por mim fizeram, enquanto respirar;
Lembrem-me de alguma dívida se acaso houver...nunca deixem de lembrar...
Detesto, para seres tão ignóbeis auto proclamados humanos, sequer um centavo ou um segundo de minha atenção, permanecer em débitos que venham a restar;
Ainda que uma platéia ingrata pare, como pífia forma de empecilho tente lhe parar...o palhaço há de seguir, há sempre gente nova para "dever", ou quiçá deveras, finalmente agradar.




3 comentários:

  1. Digam-me...quanto devo?
    Adoro ver a satisfação nos olhos do inesperado credor, ao me cobrar.
    Adoro contemplar idiotas, falsos profetas de palavras sagradas que de bocas imundas, PROFANAM...fazendo restrições, no intuito fazer uma mente pensante ou sonhadora, desistir de sonhar.

    ResponderExcluir
  2. O Brasil tem uma grande população e sim á uma sempre uma divida ou outra, se ate por parte políticas públicas temos que pagar por elas, como vamos resolver tamanho problema então? Estão tentando "abater" essa dívida, de todas as formas, se nós de baixa renda lutamos para não ter nenhuma divida pensar em pagar outras que já não são as nossas mesmo é difícil....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, há uma questão econômica caótica em nosso cenário nacional...mas, já sentiu que você, questão introspectiva mesmo...
      Já sentiu estar sempre em débito com aqueles que mais lhe retiram coisas, e ainda dever algum tipo de pedido de anistia ou gratidão?
      Neste caso, o ser humano é o universo em questão...
      Valeu pelo comentário, menina. ;)

      Excluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.