Visitantes da página

terça-feira

Vidas vão...em vão.



Matar aquilo que ainda respira, somente para ver ressurreição;
Sufocar aquilo que ainda exista...simplesmente pela necessidade de sentir saudade em vão;
Vidas vêm...algumas, viriam para ficar, mas você preferiu se lamentar e dizer a ela não;
Vidas vêm, vidas virão...você, terá necessidade de matar, necessidade de tuas lágrimas frias sobre esta vida perdida derramar...
Fora conivente com o assassinato por aquilo que hoje se lamenta e no auge de todo cinismo, faça homenagem ou para os céus, teus joelhos inúteis se dobrem para suplicar perdão;
A história passou, poderia ser lida, poderia ser linda...poderia ser mais que um descartável rascunho atirado ao chão, mas verdadeiro capítulo vivido para ser escrito no coração;
A história há de passar, saudades sentir, sempre dirão...
No entanto, é tão humana e tão estranha esta necessidade de matar o que vive, de ferir aquilo que é saudável...para exercitar tua cena, melhorar tua atuação;
Teu perdão, peça para seu Deus...quem sabe, realmente ele consinta com tua conduta de boa criação;
Quem sabe em templos ou de teus antecedentes assim não aprendera, simplesmente assim age por ímpeto não negando de animal, tua inata condição;
Pensei que era real a história, pensei que realmente valia a pena a memória, porém reitero...pensei em vão;
Feriste uma vez mais o mesmo coração, cometera o mesmo assassinato de outrora indiretamente, para chorar sobre outro caixão;
Viveste tua maldita vida para se lamentar...história jamais terá que seja verdadeira quem seja assim tão mesquinho...
História para gente tão humana e estranha assim, será do ego...mera necessidade para se fazer, tal qual a felicidade momentânea que não passe de presente ilusão.




3 comentários:

  1. Uma hora dessas há de encher o SACO...esta insana repetição, do MESMO FATO!
    Dá licença por favor...hoje, não preciso de tua demonstração de bom ator.

    ResponderExcluir
  2. Lágrimas se cair será tarde então, e depois da saudade será banal ilusão... não reclame ou questione, atos e consequências...
    "O homem quando está em paz",
    NÃO QUER GUERRA COM NINGUÉM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ou, o homem que está em paz, é chamado sempre à guerra por alguém.
      E por vezes, nem sempre a batalha será inevitável, quando atos são tão escusos, sorrisos ou apelos não passem de falsidade...seja tudo assim tão falho.

      Excluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.