Visitantes da página

segunda-feira

Via de regra (havia uma regra?)

Via de regra...sempre na mesma vibração, via que jamais seja contramão...
Contrassenso, para quem diga viver na fantasia, refutar paradigmas e não seguir regras;
Via...em alguém que dissimulava, apenas alegria e fantasia, tirei os óculos da cegueira...
Vi, aquilo que outrora não se enxergava e com desgosto a realidade me mostrava...vi perfídia;
Tu és letra talvez, tu és bola que talvez necessite ter sempre tua vez;
Tu é insípida forma sem nexo, de coisas que não soam como boa reflexão ou melodia;
Intensidade, ápice...jogo de palavras que não faça sentido, jogo estúpido proposto pelo ego combalido;
Cada qual encontra em sua dor, seu sentido;
Cada qual, encontra em sua suposta desgraça...graça, para fazer versos longe de verossimilhança, ao menos, que fizessem sentido;
Falar de amor seria mais fácil...sendo este sempre utopia, imaginado, porém de fato...jamais vivido;
Falar do abstrato, tergiversar ao próprio gosto sobre fatos...livre será a escolha, tolice se observa no escolhido;
Interjeições, clímax...em todo ápice a aleluia há de viver, porém será a luz verdadeira que permanece acesa, ainda que após o Sol novamente ascender;
Via de regra, pensei que regras em supostas afirmações de liberdade não havia;
Penso que, porém, regras mínimas que fossem trariam um pouco mais de alma àquilo que se chame por poesia;
Penso, mas meu pensamento não faz diferença...creio que fui enganado;
Me traz ainda mais certeza, esta estranha pontual presença e o vazio, agora indiferente que há de causar  esta forma de premeditada ausência;
Tão disforme quanto meus versos...tão disforme, quanto nossas aparências. 





Um comentário:

  1. Simplesmente para alguma reflexão, ou não...tudo, tudo sempre aqui foi limpo, olhos nos olhos...jamais imperativo, com pretensa imposição!
    Olhe dentro destes olhos, ainda há tempo para desistir de jogos mentais...não se brinca com loucura distante de sua compreensão. Saia pela tangente, pois detesto maltratar, ainda que com palavras, seres tão banais.

    ResponderExcluir