Visitantes da página

domingo

Palhaço escritor.






Ver seu rosto impassível, imaginar teu caos não interessa...mas, serenidade que signifique ausência de tua personalidade, suportar é possível;
Olhar no fundo de olhos a divagar, em um ponto qualquer tentando se afixar...simples será;
Basta desta pessoa recordar falhas, jamais virtudes...basta simplesmente, o próprio olhar para lado diverso, desviar;
Te ver assim, saber que é ruim, contudo dar de ombros omitindo dos lábios um "que se dane";
Será pra sempre assim...pelo nome de batismo chamado, jamais fora querido ou talvez realmente desejado...
És odiado, simplesmente pela audácia de ser um infeliz palhaço que se diga poeta, conhecido por Fernando Ordani;
Se sou aclamado, não importa...se sou criticado, logo terá relevância;
Haveria de se alterar no presente, aquilo que se aprende em um lar onde discórdia se aprenda desde a infância?
Ver a ausência de teu sorriso...porém, preocupar-se com medicamentos para manter-lhe sedado, inofensivo...vegetando preferencialmente à distância;
Poxa...uma vez mais me vejo relatando em lamúrias sobre meu próprio existir, quando um universo de coisas deveria haver...
Para eu enxergar de dentro desta prisão e estar, como o sábio que ri de próprias desgraças, versando;
Porém sequer eu saberei se o sábio suportaria viver em eterno dissabor e rindo;
Ou jamais ser um palhaço escritor, mas um escritor palhaço na contramão da felicidade...ela em direção oposta a mim, sempre a passar sorrateira...sorrindo;
Nunca saberei, se até mesmo o mais fiel dos fiéis, em sua estrutura quase que inabalável suportaria ser assim ignorado, quando simplesmente tentava ser orgulho para quem lhe pôs no mundo e estivesse por um segundo, olhando...
É duro acordar sem sentido para viver...é duro assinar Fernando Ordani ao escrever, porém jamais passar de pretensão ou sonho de um ignóbil tal de LUIZ FERNANDO!




2 comentários:

  1. Bom dia!!!!!
    Me diga como viver, como ser feliz, em acordo claro...com o que diz.
    Me diga quantas miligramas desta droga devo consumir para permanecer assim, e não arruinar o teu dia.
    Perdão, eu existo...um espaço, era tudo o que sonhei um dia.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.