Visitantes da página

segunda-feira

Noites tão frias, noites vazias.



Noites vazia...repletas apenas de escuridão e solidão, sejam noites de verão ou sejam noites, por sua natureza, frias;
Frias não serão as noites, mas serão os seres que caminham, com olhar indiferente a quem procure algum fraternal abraço ou amigo, embora seja dia;
Frieza que se sinta no olhar, frio e vazio que sejam sentidos por alguém em um sussurro quase mudo de desespero, em um canto triste do mundo...em qualquer lugar;
Noite que passa a impressão de perdurar por uma eternidade;
Noite que traz a incômoda certeza de que seja finita e não mais sirva como esconderijo, para quem sinta por si mesmo...no abrigo confortável da fria escuridão, somente piedade;
Se acende em algum lugar uma fagulha, é fogo fraco para aquecer...ou fogo que entorpece e aos poucos, faz morrer;
Fagulha, que não seja chama de esperança...fogo, que não aqueça, mas ao menos entorpeça...
Fogo que desfaz, consumindo em cinzas tudo o que seja humana pujança;
Havia luz, já não há mais...havia abrigo, havia ilusão que permeava a realidade e se parecia um amigo;
Tudo se vai, se faz ainda mais vazio e sensação de desespero que faça alguém colocar, sem se importar...a vida já sem sentido, em real sensação de risco;
Talvez, para ser definitivo alívio, talvez...para ser voz suprimida, que gostaria de fazer ecoar toda sua dor, em um ensurdecedor grito;
Noite vazia, gente tão fria...recrudescente emaranhado de teia, e já se faz no horizonte o temido raiar de mais um dia;
Não acordou para ver que horas eram, até mesmo o relógio despertador de pesadelos...em seu ritmo de monotonia, lhe traía;
Bom dia, boçal, sinta o cheiro do café e o chamado para mais um dia que não mais queria;
Acorde para viver ou morrer...esperando ansiosamente, por outra noite de insônia ou adormecer;
Noite tão fria, todavia, que seja ao menos solitária para ser somente sua e naturalmente, vazia;
Para que então, seja preenchida com sua alegria, ainda que seja loucura...ou, seus pensamentos, ainda que não se traduzam em nada além de melancólica agonia.






Um comentário:

  1. Talvez, para ser definitivo alívio, talvez...para ser voz suprimida, que gostaria de fazer ecoar toda sua dor, em um ensurdecedor grito;
    Noite vazia, gente tão fria...recrudescente emaranhado de teia, e já se faz no horizonte o temido raiar de mais um dia...

    ResponderExcluir