Visitantes da página

segunda-feira

Meras coincidências

Toque o nome, toque o mesmo disco;
Toque naquela mesma tecla, já sabendo previamente, o risco;
Calcular, premeditar...
Por um minuto pensar que por detestar ser somente um, preço há para se pagar;
Trocar o nome, mudar o disco...troca-se então de tratamento, o pronome;
Isento agora está, de todo risco;
Risco no disco, repetindo a mesma faixa...faça aquilo que lhe apraz, "que se dane" aquilo que o olho alheio acha;
Por um minuto você pensou, nem por isso o mundo por tua causa parou;
Fiz coisas ao teu redor, apesar de ti;
Coisas há para serem feitas, sei que o mundo gira na mesma rotação...
E disco, há para trocar quando cansaço se fizer até de si;
Dó, ré, mi....teria mais alguma nota para tocar?
Reflexo ou reflexão...para mim há sempre uma opção;
Não peço para o mundo parar, em minha razão;
Quem será...escriba, quem será digno signatário que se aproprie da pretensa arte escrita?
Quem...se habilita?
O risco persiste, flexibilidade e tenacidade...ante à adversidade resiste...
Se é sabido que existe, e quem procura, nem sempre o devido acha;
Por qual motivo então, simplesmente não aperta com olhos verdadeiros a minha mão?
Sinta, consinta...ou não, hei de existir apesar de tua suposta razão;
O que enxergas? Do espelho própria reflexão? Pode ser que seja ilusão, e pode ser é somente aquilo que você sempre acha..
Por que não sente-se à vontade com coexistência, meu caro?
Porque, do contrário, cerra teus malditos lábios, entorpeça ainda mais teus sentidos deturpados...
Relaxa!



Um comentário:

  1. Francamente..que horror! rsrsrsrsrsr
    Há gênios incompreendidos...há também, apenas idiotas incompreendidos. Hummm...

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.