Visitantes da página

quarta-feira

Cavalgada impiedosa.




Parte agora, contigo o sonho sonhado junto lá fora;
Parte um coração nesta singular forma de partir, pois somente um se faziam por escolha própria;
Sonho sonhado sozinho pode ser utopia, pretensão de mudança de guarda-roupas, permanecendo inerte olhando janela afora;
Parte, distante...para longínquo horizonte, lágrima também neste momento solitária, persiste em escorrer pela pele desta face enrugada;
Nenhuma toalha para secar...o chão será seu destino agora para molhar;
Nenhuma mão amiga a se estender, nenhuma explicação lógica que se possa compreender...somente sinto ao ter ver partindo toda vez, como se fora última vez...
Um sonho a se desfazer, a dor que em desatino se proponha a doer...um corpo na amargura, adoecer;
O som daquele motor novamente para longe a lhe conduzir, soam como impiedosos cascos que cavalgam somente na intenção de me ferir;
Sonhei um dia em preto e branco, com teu sorriso e teus ímpetos juvenis...surgiu assim, para meu sonho colorir;
Tire da gaveta o projeto, faça nascer a criança para viver aquilo que seria somente embrião...um feto;
Sonhei, mas novamente me deparo com o frio que traía a confiança de minha própria visão...tola a crer, que havia sentimentos em muros de concreto;
Sonhar assim sozinho não quero...não faz sentido sonhar sozinho, se nada fez sentido;
Se você, não mais estiver por perto;
Simplesmente recolhe-se um pretenso poeta à sua ignóbil condição de outrora;
Simplesmente desfaz-se até mesmo qualquer edificação rochosa de orgulho por quatro mão edificadas...enquanto para longe novamente cavalga, e este olho solitário chora;
Se partir para sempre, deixe-me saber para meu sonho assassinar, memórias engavetar e tuas roupas, recolher;
Se for somente brincadeira, veja se não demora...pois, braços abertos sempre esperam para quem jamais deveria partir, receber!





6 comentários:

  1. Sou arrogante demais ou melancólico demais para falar sobre amor...rsrsrsrs.
    Se me canso de ser idiota? Não...jamais. E você, não se cansa de PRESUMIR e se achar o centro do universo, dono legítimo da razão?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não creio nem sinto arrogância em si...
      Ao ler este magnífico poema, vejo um homem com uma extrema sensibilidade nas palavras que compoêm este belíssimo e emocionante poema!
      Os meus parabéns!
      Estou a visitar o seu blogue pela primeira vez, e estou a adorar ler tudo o que escreve...
      Beijinho e uma feliz tarde.
      Maria

      Excluir
    2. Serão sempre bem vindas pessoas assim, tal qual a ti, estimada Maria.
      Coração limpo e franqueza é o que mais busco ter em mim mesmo e costumo procurar em raras pessoas.
      Simplesmente, gosto de ser original nada mais.
      Muito agradecido pelas menções elogiosas, por todas as palavras de carinho.
      Abraços, feliz tarde!

      Excluir
  2. Não há outra palavra a não ser PERFEITO......

    ResponderExcluir
  3. Excelente, gostaria de lhe parabenizar pessoalmente. Grande, abraços do João Pedro.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.