Visitantes da página

quinta-feira

Vagando pela cidade.




Pensei por um momento, enquanto meus olhos divagavam e pernas, caminhavam por acaso pela cidade;
Um alento que fosse talvez alguma nota valorosa no chão, um pedaço de papel com números que comprasse compaixão e piedade;
Alegria para se comprar com papel de questionável higiene e qualidade;
Papel, que comprasse um pouco de caro, comum ou raro...barato torpor, que fizesse esquecer meu nome e idade;
Olhos que divagam, entretanto, pouco atentos hão de estar onde deveriam...senão imersos em um incômodo vazio dentro de si, marejados ou não por autopiedade;
Não se via, em meu perdido caminhar notas de papel perdido, não se notava ainda que diante de minha face saltasse...a mais incrível e rara oportunidade;
Estive perdido demais em introspecção infundada, estive imerso demais em meu egoísmo estranho e sentimento de pesar por ainda respirar pela cidade;
Pensei por um momento em um alento, que fosse tesouro no final de um arco-íris, ou mesmo algum dinheiro fedorento;
Pensei, mas logo desisti...pois, toda vivacidade que se observava em olhos juvenis de um homem perdido, já se perdera há muito tempo;
Não se recupera em um dia aquilo que custou anos para se perder, não há de se encontrar aquilo que diferença não fará ou não há de se merecer;
Caminhando pela cidade, no peito somente angústia e procurando algum afeto...quando afeição por mim mesmo já não tenho, andando perdido pelas ruas desta cidade;
Queria tesouro, queria ouro ou uma nota com números por favor, por piedade;
Queria de volta aquilo que há anos perdi, aquilo que por viver me faz lamentar...e agora, para todo flertar que seja com a morte, sorri;
Queria uma nota que não fosse sublime, nota musical...simplesmente uma nota de papel, perdida e banal;
Caminhando por autopiedade, buscando algo fitando sem atenção, no entanto, o chão desta imunda cidade;
Buscando um tesouro perdido que nunca encontrei ou uma nota suja que jamais encontrei...embora, sei que estas não serão capazes de comprar de volta minha felicidade.





3 comentários:

  1. Uma nota, talvez? Quando músicas ou nada parece mais fazer sentido?
    Muito obrigado...deixe-me a sós com este céu cinza ou colorido.
    Para mim, tanto faz...nada pode comprar de volta aquilo que sinto que em mim faz falta, e fez com que minha vida perdesse seu sentido.

    ResponderExcluir
  2. Sabendo o grande significado de deixar tudo, por tudo tentando e não ter conseguído então.... seguir adiante nesse mundo distante de verdadeira realidade custa caro.... caro que pode ferir vidas e não forma as cicatriz. Um mundo onde até para sonhar deve se pagar :'(

    ResponderExcluir