Visitantes da página

domingo

Ser sucinto.








 
Sobre o poeta, diz-se que este deve expressar em pouco aquilo que se sinta, que deveria talvez ser breve...sucinto;
Mas, se sucinto for, não sinto quem estou sendo completamente leal com as verdades ou inverdades para se expressar, que trago comigo;
Um trago a mais, um minuto de vida a menos...com esta simplicidade, da cumplicidade de suicídio consentido, para mim mesmo ao ser breve...eu minto;
A verdade ou ilusão que vendo, não se vê no vermelho ou no repentino vazio que se faça em um cálice de bebida barata ou de fino vinho tinto;
Sinto, logo hei de transcrever, mas perdão eu peço senhor...não sou excelência em poesia para ser preciso e sucinto;
Não saberei dizer ou concluir idéias tão desconexas, resumindo ou reduzindo a uma linha que há de tornar tão subjetivo este algo, ao ponto de não fazer sentido;
Sou escriba, entusiasta das belezas, transcritor inato de melancolia e tristezas...inteligência que não seja emocional, não trago comigo;
Sou patético ou falho quando tento com ineficácia, ser sombra do ilustre poeta, pois sinto que somente há de ser relevante aquilo que seja dito breve como um raio, ou trago que na face cause alguma expressão de sublime satisfação, ou da amargura do absinto;
Não sei ser sucinto, mas ao menos, sinto que sobre palavras que a mim são precisamente pelos ventos do destino sussurradas, sou distinto...singular em minha estupidez e reitero, não minto;
Tradução de tudo que no abstrato ou ausência mental impera...não sou placa, para ser precisamente suficiente em uma mensagem que necessite necessariamente ser completa;
Não sou sombra do poeta...mas, talvez algo além de sombra ou singular o suficiente para ser alguém que sombra própria produza eu seja;
Não sou aquilo que por vezes desejo...contudo, com olhos alheios que em um mundo distante parecem pairar, sou simplesmente aquilo que vejo e em versos ou prosa...com o único compromisso de não trair a si mesmo, simplesmente, escrevo.




3 comentários:

  1. "Não sou sombra do poeta...mas, talvez algo além de sombra ou singular o suficiente para ser alguém que sombra própria produza eu seja. Não sou aquilo que por vezes desejo...contudo, com olhos alheios que em um mundo distante parecem pairar, sou simplesmente aquilo que vejo e em versos ou prosa...com o único compromisso de não trair a si mesmo, simplesmente, escrevo."
    Sem mais.

    ResponderExcluir
  2. Escreveu e deixa transcrever... lindo para quem vê essas riquezas, emociona cada palavra onde a emoção se ve em um simples e verdadeiro sorriso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário, estimada Joice Martins :)

      Excluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.