Visitantes da página

domingo

Meias voltas.

Meia-volta...volta e meia;
Meus caminhos são ocultos propositalmente e minha vitória, não será bandeira que diante de ti se hasteia;
Meia-volta, volta e meia;
Vivo na cegueira que se faça de teus olhos para a intensidade, vivo de presente...mas, também sinto saudade e não hei de ser aquele que mais uma vez, face a sua possessividade titubeia;
Volta...regressa a ser metade aquilo que se parecia com volta inteira;
Sua imagem me perturba, sua imagem me causa pena...mas, até mesmo piedade se fará insuficiente para uma vida que jamais fora forma de vida plena;
Meia-volta...volta inteira;
Vivo errante, titubeante talvez...porém, silêncio e mistério se fazem aliados e eficazes armas contra insensatez;
Volte-se...vá viver, e viva para se dizer um dia, realmente satisfeita;
Vidas não se comparam, mas insistes em comparações...vidas, que insistem em comparar, quando sequer serão dignas de menção em uma jocosa forma de poesia, longe de ser perfeita.



5 comentários:

  1. Até mesmo o olhar da serpente que hipnotiza, diante do teu há de se confundir...

    ResponderExcluir
  2. Silêncio, anseio, som e eu. Quem vem lá....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Releve o que não importar
      Vai, dê meia-volta e VOLTAR!

      Excluir
    2. Nesse caso..."vá, dê meia-volta...e para sempre, se vá".
      Sem mais.
      P.S: Obrigado, Fernando Anitelli.

      Excluir
    3. Como se afirma, se resume e liberta o indispensável para aprender, é Fernandos... quem diria em? poetas e ilustres, fazem então a diferença em nossos dias....

      "Volte para lá.

      Excluir