Visitantes da página

sábado

Cuide de sua oração.

É quase onipresente, mas assim jamais o será;
É quase onipotente, mas da onipotência sempre estará a observar de um inferior patamar;
Busca almas que inveja pela condição de mortais, busca naquilo que detestava, a criação quase perfeita, cada vez mais se assemelhar para mais almas vir a ceifar;
É quase um senhor, mas é pequeno empresário, do criador jamais passaria de um mero capataz;
É ser de adoração, e como tudo aquilo que vive para ser adorado e disso necessita, é inferior por escolha e infeliz condição;
Cuidado ao orar, vigie sua oração;
Não é onipresente ou onisciente...mas é onívoro, e está pronto para devorar sua fé e seu coração.
Ore, mas ore em silêncio, pois aquele que está acima sabe o que em sua mente há de se passar;
O seu silêncio, teu exílio é aquilo que mais a este vil ser há de incomodar, ser de muita força, mas objeto de troças para o sábio que ora em silêncio, tornar-se-há;
É quase algo, mas algo jamais será...é ouro que não reluz, é astro que de propriedade, jamais tivera alguma luz;
Riu quando um filho foi crucificado em uma cruz, e ardeu-se em ódio quando testemunhou o mesmo superar a morte e elevar-se aos céus em luz;
Não passou de um projeto que poderia dar certo, não passou daquilo que pode passar sem ser notado;
Não passa de ser tão vil e pobre, tão sem valor e de propósito inócuo, para ser chamado como o homem que se julga sagaz por efêmero status de ostentação, de pobre diabo;
É quase, foi quase...quase fora;
Cuidado ao orar, entretanto, pois orações em vociferadas ou em brados, telegrafadas a este poderão ser;
E a mentira e verossimilhança com tudo aquilo que se pareça verdade, é a arte do decaído forte, do sagaz mentiroso, da pobre forma de ser; 
Parecer...se parecer com tudo aquilo que nunca fora ou poderá ser;
Mentira, senhor da enganação, pois até de sua eterna e maldita condição de senhor, hei de ser jocoso em sua descrição, pois daquilo que é sublime és mero ouro de tolo que nada servirá, a não ser para enganar à primeira impressão;
Senhor da iniquidade, da ostentação que tanto se assemelha a almas que estão cada vez mais contigo se parecendo e em ti encontrando-se em sua própria perdição;
Procure outra realidade para viver, outro planeta...outra dimensão ou nação;
Seu jogo já é conhecido, sua arte, já não é nada além de truque barato para enganar aquilo que se assemelha contigo mesmo...sua existência é para seu ego vazio, uma triste tapeação.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.