Visitantes da página

quarta-feira

Perseverar...em uma rua, um palco, ou qualquer lugar.

Para que se pare uma caravana que há tempos segue, ainda que por um instante, ou se repare em algo que esteja em seu caminho;
Deverá ser perigoso para ser relevante, deverá ser da rosa que inspira o perigoso e ameaçador espinho;
Quando as cortinas se fecham, o encanto se acaba por instantes quando nos vemos na obrigação de um artista que se veja na obrigação de atuar sozinho;
Para perserverar e crer em sua missão, para permanecer após um duro e inesperado golpe, em pé;
Não haverá manual de instrução que não seja a própria adversidade adiante que te ensine a persistir em sua fé;
Sua maquiagem se desfaz, o desânimo em ti torna a idéia de desistir, algo que instantaneamente lhe apraz;
A máquina propulsora de seu sucesso te conduziu até metade do caminho, mas quando os caminhos se dividem, é hora de aprender a caminhar sozinho;
O motor parou, a maquiagem se desfez...o palhaço de fazer sua graça se cansou;
As palavras emudeceram, poucas lágrimas de dor, agonia e decepção, de seu cansado rosto...raras escorreram;
Levanta-se o homem, recompõe-se e recupera daquilo que mais ostenta e que é sua única riqueza e orgulho;
Recupera o rumo, ainda que sem o mesmo brilho de outrora, e segue persistindo em levar esperança, reflexão...fazer sorrir e chorar, ainda que na platéia haja somente um simples espectador atento;
Não se fará mais necessária a mesma bagagem de antes, todo aquele barulho já não suportarei... viver de autenticidade será meu único alento;
Efusivo havia de ser todo o comportamento que contrapunha-se, era contrasenso quando comparado ao seu ser;
Segue o palhaço sem graça, segue seu caminho a pé...segue persistindo e acreditando em sua missão, ainda que abandonar aquilo que o impulsionava, seja sua única opção;
Aqui estou e aqui permaneço, de atenção ainda hei de carecer, com meras palavras que não trarão o mesmo brilho e vivacidade de antes, hei de pagar para ver...se valerá a pena o esforço, ou no abrigo do frio ostracismo para sempre me faço esquecer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário