Visitantes da página

sexta-feira

Obra Inacabada...

Quando em um passado distante, ainda na inocência dos meus nove anos eu recém havia descoberto sobre a mentira da cegonha e sobre a necessidade de esconder sua "vergonha"; havia obra suntuosa que gostava de admirar e na eficiência de que tudo o que havia começado, tinha de acabar; que esta então em pouco tempo seria concluída e logo entregue eu queria acreditar.
Quando eu ainda era menino, com mochila nas costas...não sabia o que eram reais problemas que não fossem os de matemática, aqueles que atormentavam meu sono, mas não se passavam da antesala dos problemas vindouros, meros problemas de escola. Lá ainda estava ela...os ônibus eram de cor amarela e aquela suntuosidade...ainda parada.
Da sacada da minha casa ou de qualquer lugar eu esperava para ver a conclusão daquela linda obra.
Passados vinte e um anos, percebi que a vida não é feita somente para se viver, mas para se aprender com muito exercício a sobreviver. Ingressei ainda jovem no serviço público, acreditando que alguma diferença faria, acreditando com um ímpeto juvenil de que um dia, tudo haveria de estar em seu devido lugar. Que as coisas poderiam ser diferentes, que um sistema que existe muito antes de mim eu poderia ajudar a mudar...
Hoje, com desgosto, ainda passo pelo mesmo lugar. Muita gente já se foi, e muita gente ainda irá. Vinte e um anos, já não acredito em histórias inventadas, mas sim na realidade das coisas que não são nada fáceis ou engraçadas. Não acredito que ainda tenho uma eternidade pela frente, sei que as pessoas não morrem somente de morte matada.
E lá está, a mesma obra...a obra inacabada. Ainda que haja alguma vontade desta vez, não a vejo mais com a admiração de outrora, vejo esta como uma tremenda palhaçada.
E como conclusão, apesar de ser clichê, reitero o velho jargão de que os palhaços ainda somos nós...cujo dinheiro suado é mensalmente descontado, para se concluir obras que nunca terminam, para usufruto de serviços que parcialmente nos atendem...para salvar vidas que na escuridão da marginalidade se perdem e já se perdiam.
Obra inacabada, olho para você hoje com um ar de sarcasmo...você é do nosso país, o mais perfeito retrato!

Nenhum comentário:

Postar um comentário